Genética da diabetes

(Last Updated On: May 11, 2017)

Genética da diabetes: Thrifty gene, o gene de sobrevivência


 

Se você sofre com a diabetes, já deve ter se perguntado porque tem essa condição; porque eu tenho isso e outros não. Herança de família? A resposta é sim e não. Se você tem diabetes tipo I, a resposta é sim, mas se tem tipo II, a resposta não é tão fácil.

A genética e a diabetes estão relacionadas, mas o tipo de alimentação talvez seja mais importantes. O mais importante porém é entender a relação que a genética que afeta a diabetes tem, em relação às nossas mudanças de hábito especialmente a nossa alimentação e atividade física, e em especial a nossa sedentariedade.

Para entender diabetes primeiro precisamos entender que a alimentação nos afeta de formas diferentes. A dieta tem também um efeito a longo prazo através de gerações. Alguns indivíduos absorvem alguns nutrientes bem, outros não tão bem. As razões estão na programação genética de cada, que evoluiu em milhares de anos. Nossa mudança de hábitos no entanto sofreram mudanças tão rápidas que não acompanharam este mapa genético.

Todos os cientistas concordam que a estilo de vida é o fator mais determinante para a diabetes. A genética é apenas uma parte deste processo. Propensão genética só significa que você pode ter mais chances de se tornar diabético. Os genes que são supostamente responsáveis pela diabetes podem ser chamados também: genes da sobrevivência ou Thrifty gene. Sem ele, não estaríamos aqui. A história sobre o gene diabético é simplesmente fascinante.

 

A genética da diabetes

Há um total de 36 genes identificados que estão relacionados ao diabetes mas estes genes apenas contribuem para o risco de diabetes e não necessariamente a causam. Alguns desses genes estão relacionados a obesidade, outros a capacidade de produzir glicogênio (glucose para uso imediato quando você está em jejum). Estes genes são responsáveis por muitas funções, incluindo algumas das  quais nos ajudaram a sobreviver em tempos de escassez de alimentos. Este gene é chamado de “thrifty”. Hoje, não temos o desafio da escassez mas nossa fisiologia ainda funciona com a genética milenar que herdamos de nossos ancestrais.

Vivemos neste planeta há milhões de anos e em apenas centenas de anos atrás a comida que era escassa tornou-se abundante. Depois de entrar na era industrialização e mais importante na era do petróleo, começamos a ter abundância de alimentos. Comida no passado era difícil de obter; você precisava trabalhar muito duro para ter o que comer. O surgimento de diabetes coincide com a abundância de alimentos e a migração de povos nativos de seus lugares de origem. Diabetes foi ainda mais constatada em grupos indígenas onde foi averiguada uma mudança drástica na dieta e estilo de vida.

genética-e-diabetes.jpg

Um exemplo recente desta epidemia associada ao gene causador da diabetes aconteceu em Nauru uma remota ilha no pacifico. Períodos de fome eram comuns nesta ilha que tinha uma agricultura difícil devido aos solos duros e pobres. Mesmo tendo solos pobres e tendo pouco para comer eles não eram magros, o que é um fenômeno interessante que pode ser associado à genética (falo mais sobre isso depois). Em 1922 depósitos de rocha fosfática, que é um fertilizante importante foi descoberto na ilha. Logo em seguida começou a extração mineral e com isso iniciou-se uma faze de prosperidade econômica para os habitantes da ilha tornando-os extremamente ricos em um curto espaço de tempo. Com o dinheiro vieram grandes mudanças no estilo de vida. Tornaram-se  sedentários e ao invés de pesca e agricultura, passaram a comprar comida em armazéns. Em 1950, o diabetes tipo II explodiu quando antes era basicamente inexistente. Dois em cada três adultos com idade superior a 55 anos eram diabéticos tornando-se a causa mais comum de morte. Neste caso, o rótulo “gene thrifty” pode explicar o que aconteceu com o povo de Nauru e sua mudança drástica no estilo de vida.

O gene “thrifty”: alimentação e atividade física

nauru-diet.jpgThrifty é o nome dado ao gene que muitos acreditam ser o causador da diabetes. Esse gene tem uma relação direta com a nossa habilidade de sobreviver. A cerca de 50.000 – 10.000 A.C., quando o homem caçava de 3 a 4 dias por semana e a mulher se catava frutas e nozes de 2 a 3 dias a atividade física fazia parte do dia a dia; sem atividade física intensa a vida seria impossível. Alimentos só eram disponíveis após o trabalho árduo, de modo que a sobrevivência e as funções biológicas do corpo humano eram intimamente ligadas. Os homens devem ter caçado com fome, e ao mesmo tempo precisavam da energia para caçar; o gene thrifty pode ter permitido a aqueles homens do passado a ter energia mesmo com fome. Alem disso haviam momentos de fome também devido à caça sem êxito, secas, e invernos rigorosos. Tinha que haver um mecanismo que tornava o homem primitivo imune a estes tempos difíceis. O gene thrifty propiciou a economia de energia, preservando os estoques de glicogênio facilitando oxidação de ácidos graxos produzindo energia e maximizando a sobrevivência durante estes tempos difíceis. Então, o que nós chamamos gene diabético não era um gene mau de todo. O problema é que o mundo mudou: hoje não temos fome (na maioria dos países) e não usamos atividade física para sobreviver em épocas remotas.

Como funciona o gene thrifty

O sistema de seleção genética é muito simples: o mais fraco morre, e quem sobrevive passa sua herança genética. O gene thrifty está entre nós hoje porque permitiu a sobrevivência de seus portadores. O gene Thrifty regula duas principais fontes de armazenamento de energia: glicogênio e triglicéridos. Estes genes são eficientes para o uso e armazenamento de glicogênio muscular durante exercícios rigorosos. Isto pode explicar por que as pessoas da ilha Nauru não eram magras; mesmo apesar de terem pouca comida. Eles foram capazes de armazenar energia em seus músculos durante a fome graças ao gene thrifty.

Diabetes têm sido observada em grupos, que foram expostos a períodos de fome no passado e agora estão vivendo uma abundância de alimentos interminável, especialmente de carboidratos simples como o trigo refinado e açucares.

Hoje a comida está disponível 24 horas e sete dias por semana. Em vez de ter que caçar a comida é entregue em casa ou facilmente obtida no supermercado mais próximo. Nós já não temos mais que fazer qualquer exercício, as máquinas e motores fazem todo o trabalho para nós. Não só temos uma abundância de todos os tipos de alimentos, mas removemos suas fibras, cascas e minerais naturais que são os nutrientes encontrados na maioria dos grãos. Estamos acostumados a uma dieta rica em carboidratos e pobres em nutrientes. Nossas necessidades biológicas no entanto, estão ligadas ao nosso passado genético que permanece inalterado. O armazenamento de glicose são excessivos e inadequado para necessidades energéticas. O resultado é uma descontrole do todo o nosso sistema de regulação da energética. Isso leva a várias doenças conhecidas como síndrome metabólica e diabetes.

 

 


Vídeos

Um vídeo de apresentação dos conceitos básicos da teoria do gene econômico. Um olhar para os Pima Pessoas e sua relação com o gene e diabetes


 

A pesquisa sugere que o risco de diabetes tipo 2 em algumas pessoas pode ter começado muito cedo na vida, como resultado de diferenças na forma como os nutrientes influenciaram a formação do bebê. Diferenças em nutrição, poucas ou muitas calorias, e as diferenças nos tipos de alimentos consumidos, ou diferenças na forma como a placenta e do cordão umbilical entrega a nutrição para o bebê, podem comprometer o desenvolvimento de diabetes tipo 2 mais tarde na vida.

Créditos de imagem: flickr.com , flickr.com , flickr.com


 

 

 

Referências

Comments

comments

In Category: DIABETES BRASIL

Marcos Taquechel

Marcos is an RN. Thanks for stopping by and reading my posts. I hope you are able to get something useful out of this blog. Take good care of yourself and don't worry about anything until you have something to worry about.

Show 1 Comment
  • Daniela Conde July 29, 2016, 07:12

    A diabetes é um mal que pode levar até a morte, mais ela é controlada e se evitando muita coisa ela pode ser muito bem controlada

Leave a Comment